Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.inpa.gov.br/handle/1/38644
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSchietti, Juliana-
dc.contributor.authorCaetano, Murielli Garcia-
dc.date.accessioned2022-05-30T19:08:08Z-
dc.date.available2022-05-30T19:08:08Z-
dc.date.issued2022-03-30-
dc.identifier.urihttps://repositorio.inpa.gov.br/handle/1/38644-
dc.description.abstractIt is known that a wide chemical diversity of biogenic volatile organic compounds (BVOCs) can be emitted by leaf-litter in different regions and that these compounds have diverse functions within the ecosystem, mediating important soil-plant-atmosphere interactions. However, we do not know the contribution of this compartment in tropical soils, especially in the Amazon, which is responsible for the largest emissions of BVOCs to the global atmosphere. Here, we investigate the emission of BVOCs in a litterbag experiment of leaf decomposition in the terra firme area of central Amazonia. Initially, we characterized emission seeking to understand the magnitude and chemical diversity of BVOCs emitted by leaves at different decomposition times; afterward, we related emission to microorganism dynamics and litter characteristics. Twenty-one BVOCs (oxygenated and isoprenoids) were observed over 229 days of leaf decomposition. The early stages of leaf litter decomposition proved to be more important in the emission of BVOCs than late stages, both in magnitude and chemical diversity, which was probably related to the amount of leaf mass available. Microbial biomass and activity, and litter characteristics, showed no significant correlations with BVOC concentration when considering the whole decomposition study, except for sesquiterpenes and leaf water content (LWC, %). Although the results of this study cannot be generalized and are still very preliminary towards understanding the processes that control BVOC exchanges between soil-litter-atmosphere, it provides a characterization of the compounds that can be found below the canopy during leaf decomposition in central Amazonia.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.publisherInstituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPApt_BR
dc.subjectDecomposiçãopt_BR
dc.subjectBVOCspt_BR
dc.titleCompostos Orgânicos Voláteis Biogênicos Emitidos A Partir da Decomposição de Folhas de Serapilheira na Amazônia Centralpt_BR
dc.title.alternativeBiogenic volatile organic compound (BVOC) emissions from decomposing leaf-litter in central Amazoniapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.co-advisorAlves, Eliane Gomes-
dc.identifier.author-latteshttp://lattes.cnpq.br/7266333296701270pt_BR
dc.publisher.programCiências de Florestas Tropicais - CFTpt_BR
dc.description.resumoÉ conhecido que uma ampla diversidade química de compostos orgânicos voláteis biogênicos (BVOCs – sigla em inglês) pode ser emitida pela serapilheira em decomposição em diferentes regiões, e que estes compostos possuem diversas funções dentro do ecossistema, mediando importantes interações entre solo-planta atmosfera. No entanto, o que não sabemos é a contribuição desse compartimento em solos tropicais, especialmente dentro da Amazônia, floresta esta responsável pela maior emissão de BVOCs para atmosfera. Aqui, nós investigamos a emissão de BVOCs em um experimento de decomposição foliar com litterbags em uma área de terra firme na Amazônia central. Inicialmente, caracterizamos a emissão buscando entender a magnitude e diversidade química de BVOCs emitidos pelas folhas em diferentes tempos de decomposição; após, relacionamos a emissão com a dinâmica de microrganismos e a qualidade da serapilheira. Foram observados 21 BVOCs (oxigenados e isoprenóides) ao longo de 229 dias de decomposição foliar. O início do processo de decomposição da serapilheira demonstrou ser mais importante na emissão de BVOCs que estádios tardios, tanto em magnitude quanto em diversidade química, o que provavelmente foi relacionado a quantidade de massa foliar disponível. A biomassa e atividade microbiana e qualidade da serapilheira, não apresentaram correlações significativas com concentração de BVOCs, quando considerado todo o estudo de decomposição, exceto para sesquiterpenos e conteúdo de água na folha (LWC, %). Embora os resultados deste estudo não possam ser generalizados e sejam ainda preliminares para a compreensão dos processos que controlam as trocas de BVOC entre solo-serapilheira-atmosfera, ele fornece uma caracterização dos compostos que podem ser encontrados abaixo do dossel durante a decomposição foliar na Amazonia central.pt_BR
Appears in Collections:Mestrado - CFT

Files in This Item:
File SizeFormat 
Dissertação_MurielliGarcia_CFT_INPA.pdf1,51 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.