Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.inpa.gov.br/handle/123/1632
Título: Avaliação do risco de extinção da anta brasileira, Tapirus terrestris Linnaeus 1758, no Brasil.
Autor(es): Emília Patrícia Medici
Kevin Flesher
Beatriz de Mello Beisiegel
Alexine Keuroghlian
Arnaud Léonard Jean Desbiez
Andressa Gatti
Antonio Rossano Mendes Pontes
Assunto: Tapirus terrestris
Status conservacionista
Extinção
ISSN: 2236-2886
Revista: Biodiversidade Brasileira
Volume: 2
Resumo: O estado de conservação da anta brasileira, Tapirus terrestris (Linnaeus, 1758) – Tapiridae – foi avaliado de acordo com os critérios da IUCN (2001), com base nos dados disponíveis até 2010. Síntese do processo de avaliação pode ser encontrada em Peres et al. (2011) e em Beisiegel et al. (2012). As informações sobre a conservação desta espécie foram analisadas separadamente para cada um dos principais biomas brasileiros. Espera-se, com isto, fundamentar políticas de conservação apropriadas a esta espécie em cada região do país. No Brasil, foi considerada Vulnerável (Vulnerable – VU) pelos critérios A2bcd + A3bcd, ou seja, em função de redução populacional ocorrida no passado e projetada para o futuro. Nos biomas, a avaliação levou às seguintes categorias: Menos preocupante (LC) na Amazônia; Em perigo (EN) na Mata Atlântica; Quase ameaçada (NT) no Pantanal; Regionalmente extinta (RE) na Caatinga e Em perigo (EN) no Cerrado. A anta brasileira, assim como outras espécies com ampla distribuição geográfica, sofre diferentes impactos e está sob diferentes graus de ameaça ao longo de sua distribuição no território brasileiro. Avaliar o estado de conservação de espécies de ampla distribuição para todo o Brasil, em sua enorme dimensão, pode gerar resultados excessivamente otimistas baseados nas grandes populações remanescentes em biomas menos degradados tais como a Amazônia e o Pantanal. Estas avaliações abrangentes podem impedir que políticas públicas específicas para a conservação destas espécies em biomas e ecossistemas onde seu estado de conservação esteja comprometido sejam desenvolvidas e adotadas. Podem ainda, mascarar a possibilidade de que populações ainda viáveis não sejam protegidas e manejadas de forma a não sofrer os mesmos impactos daquelas em ambientes mais impactados, dado o constante processo de intensificação de pressões antrópicas sobre biomas brasileiros ainda relativamente bem conservados tais como o Pantanal e a Amazônia. Desta forma, as informações sobre o estado de conservação da anta brasileira foram analisadas separadamente para cada um dos principais biomas brasileiros onde a espécie ocorre, e avaliações regionais de estado de conservação (IUCN 2003) foram feitas para cada bioma. Espera-se que, com isto, possamos prover subsídios para a fundamentação de políticas de conservação apropriadas a esta espécie em cada região do país (ver Desbiez 2010), para uma aplicação prévia da mesma metodologia).
URI: http://repositorio.inpa.gov.br/handle/123/1632
ISSN: 2236-2886
Aparece nas coleções:Coordenação de Biodiversidade (CBIO)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tapirus.pdf1,08 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons