Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.inpa.gov.br/handle/123/5358
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorRonaldo Pereira Santos
dc.contributor.authorde Cristo-Araújo, Michelly
dc.contributor.authorDoriane Picanço Rodrigues
dc.contributor.authorSpartaco Astolfi Filho
dc.contributor.authorCharles Roland Clement
dc.date.accessioned2016-03-17T21:11:23Z-
dc.date.available2016-03-17T21:11:23Z-
dc.date.issued2011
dc.identifier.issn0100-2945
dc.identifier.urihttp://repositorio.inpa.gov.br/handle/123/5358-
dc.description.abstractAs populações híbridas de pupunha (Bactris gasipaes Kunth) acumularam variabilidade genética provenientes de raças primitivas ao seu redor, o que deveria aumentar sua variabilidade. Para testar esta hipótese, avaliou-se a variabilidade genética de populações híbridas por meio de marcadores RAPD utilizando 176 plantas mantidas no Banco Ativo de Germoplasma do INPA, Manaus-AM, sendo quatro populações híbridas [Belém (n=26); Manaus (n=38); Iquitos, Peru (n=41); Yurimáguas, Peru (n=41)], duas populações silvestres (B. gasipaes variedade chichagui) tipos 1 (n=21) e 3 (n=7), e duas amostras de espécie afim, B. riparia, e compararam-se os parâmetros genéticos com estudos das raças primitivas. Oito iniciadores RAPD geraram 88 marcadores polimórficos e 11 monomórficos. O teste de replicabilidade apresentou uma similaridade de Dice 0,67, considerado aceitável. A heterozigosidade média das populações híbridas foi 0,34 e o polimorfismo foi 87,9%, maiores que nas silvestres (0,31; 74,7%). O dendrograma das similaridades de Dice não apresentou grupos que representassem claramente as populações híbridas. O fluxo gênico entre Iquitos e Yurimáguas (Nm=12,75) e entre Iquitos e Manaus (Nm=9,47) foi alto, enquanto o fluxo entre Belém e Manaus (Nm=7,72) foi menor que o esperado, possivelmente devido à influência da raça Solimões. O alto valor de heterozigosidade em Manaus (0,31) parece ser resultado da união de duas dispersões após a domesticação: a do oeste amazônico, com Iquitos e Yurimáguas, e a do leste amazônico, com Belém, que se juntam em Manaus. No entanto, essas populações não apresentaram acúmulo de variabilidade genética tão expressiva para diferenciá-las das raças primitivas.
dc.languagePortuguês
dc.rightsLivre
dc.subjectBactris gasipaes
dc.subjectRecursos genéticos
dc.subjectBiologia molecular
dc.titleVariabilidade genética e fluxo gênico em populações híbridas e silvestres de pupunha acessada com marcadores RAPD
dc.typeArtigo
dc.description.volume33
dc.publisher.periodicoRevista Brasileira de Fruticultura
dc.identifier.doihttps://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452011000400019
Aparece nas coleções:Coordenação de Tecnologia e Inovação (COTI)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
variabilidade.pdf389,34 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons