Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.inpa.gov.br/handle/123/5913
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorDomitila Pascoaloto
dc.contributor.authorMaria S. Rocha da Silva
dc.contributor.authorAntonia Gomes Neta Pinto
dc.contributor.authorTerezinha de Jesus Gonçalves
dc.contributor.authorVanessa Karem Carvalho Lins
dc.contributor.authorJuliana Freitas Lins
dc.contributor.authorRoberta Kelly Batalha da Silva
dc.contributor.authorEliana Emiko Araújo Takano
dc.date.accessioned2016-04-25T20:49:42Z-
dc.date.available2016-04-25T20:49:42Z-
dc.date.issued2009
dc.identifier.issn1678-6343
dc.identifier.urihttp://repositorio.inpa.gov.br/handle/123/5913-
dc.description.abstractEste estudo foi desenvolvido como subsídio para explicar a alunos do ensino fundamental a importância do meio físico para organismos aquáticos. Foram investigadas as macroalgas e a qualidade da água do rio Tarumã-Mirim, próximo às comunidades Nossa Senhora de Fátima, Nossa Senhora do Livramento e São Sebastião. O estudo foi realizado entre setembro/2006 e maio/2007. As características físico-químicas da água nos três locais foram condizentes com as esperadas para rios de água preta: ácidas, com valores baixos de turbidez e condutividade, embora em alguns locais, com maior incidência de pessoas, principalmente nos finais de semana, o pH tenha sido superior a 5,0. A existência dos balneários ou das comunidades nãoafetou significativamente a qualidade da água dos rios, oposto do que foi observado anteriormente na parte urbana da bacia do Tarumã-Açu, onde as águas de quase todos os igarapés já estão contaminadas por esgotos domésticos e pelo “churume” do aterro sanitário. Macroalgas estiveram em Nossa Senhora de Fátima e do Livramento, onde houve substrato disponível. As espécies encontradas também não indicam contaminação das águas.
dc.languagePortuguês
dc.rightsLivre
dc.subjectlimnologia
dc.subjectHidroquímica
dc.subjectbacia hidrográfica
dc.titleMacroalgas e qualidade da á¡gua em três comunidades ribeirinhas na bacia do Tarumã-Mirim, Manaus (AM).
dc.typeArtigo
dc.description.volume10
dc.publisher.periodicoCaminhos de Geografia (UFU)
Aparece nas coleções:Coordenação de Dinâmica Ambiental (CDAM)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Macroalgas_e_qualidade.pdf448,43 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons