Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.inpa.gov.br/handle/123/6142
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorJoaquim dos Santos
dc.date.accessioned2016-04-25T20:58:41Z-
dc.date.available2016-04-25T20:58:41Z-
dc.date.issued1988
dc.identifier.issn0044-5967
dc.identifier.urihttp://repositorio.inpa.gov.br/handle/123/6142-
dc.description.abstractApresenta análise de alguns fatores de produção, industrialização e comercialização dos serrarias e das fábricas de laminados e compensados do Estado do Amazonas nos anos de 1981 , 1983 e 1985. Os dados foram coletados através de questionário e entrevista pessoal, sendo que os tópicos abordados foram os seguintes: principais espécies consumidas, rendimento médio da matéria prima, transportes, fonte e local de compra das toras, custo médio por metro cúbico, problemas relacionados à obtenção da madeira, problemas enfrentados pelas empresas na produção, mão de obra utilizada, principais produtos e sua colocação no mercado e exportação. Observou-se que no máximo 45 espécies foram consumidas pelas serrarias e que dentre estas a jacareúba (Calophyllum brasliensis) e o louro inhamui (Ocotea guianensis) representaram mais de 50% do consumo total. O número de espécies consumidas pelas fabricas de laminados e compensados foi em torno de 20, sendo que a ucuúba (Virola surinamensis), a copaíba (Copaifera multijuga), a muiratinga (Naucleopsis caloneura) e a sumaúma (Ceiba pentandra) representaram mais de 80% do consumo total. Constatou-se que de 75% a 80% da produção de madeira serrada e 10% a 15% de madeira laminada e compensada foram consumidas no próprio Estado. Do total de madeira serra da, laminada e compensada produzida no Estado do Amazonas, observou-se que os dois principais tipos de compradores foram os atacadistas e a construção civil. De 1981 para 1985, o consumo total de toras, em metros cúbicos, sofreu redução de 50,9% nas serrarias e 39,3% nas fabricas de laminados e compensados. A produção de madeira serrada do Estado do Amazonas comparada aos Estados do Pará ou do Paraná, representa menos de 10% da produção de cada um deles.
dc.languagePortuguês
dc.rightsLivre
dc.subjectProdução florestal
dc.subjectserrarias
dc.subjectIndustria florestal
dc.titleDiagnóstico das serrarias e das fábricas de laminados e compensados do Estado do Amazonas
dc.typeArtigo
dc.description.localpubBrasil
dc.description.volume18
dc.publisher.periodicoActa Amazonica
dc.identifier.doihttp://dx.doi.org/10.1590/1809-43921988182082
Aparece nas coleções:Coordenação de Dinâmica Ambiental (CDAM)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
diagnostico_das_serraias.pdf1,84 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons